Morra Boris, morra!


I

Boris morreu.

É assim que tudo começa e não me importo se gostaram ou não.

Sim, ele morreu.

Morreu com tiro no peito, sangrou no leito.

Boris foi assassinado e por ele ninguém chora.

Não deixou viúvas, nem filhos. Vestia maltrapilhos.

Tinha uma casa na praia, onde morava seu rabo de saia.

Mas ela o deixou, assim que a grana acabou.

Ah... grana, dinheiro, money, tutu, bufunfa, faz-me rir, faz-nos chorar

Faz-nos a vida toda labutar.

Acordar cedo, dormir tarde, tomar um ônibus, tomar um metrô, tomar no c... vida de pobre!


II

Boris veio de família burguesa.

Seus pais eram pobres e fizeram a vida vendendo doces até abrirem uma rede de supermercados.

Olga e Angelo quiseram dar ao filho todo conforto que não tiveram.

Angelo, italiano da Sicilia, saiu do país brigado com o pai por apaixonar-se e querer se casar com a polonesa judia, Olga.

"Uma judia????? Case-se e suma daqui!!!" (claro que ele falou em italiano).

E eles sumiram.

Embarcaram para as terras "descobertas" por Cabral.

Olga penou para aprender o português.

Angelo que tinha boa vida na Europa, sentiu a sensação de não ter nada além da roupa no corpo.

Estavam felizes. Juntos. Prontos para batalhar.

Compravam doce a preço de custo de um mercado grande e revendiam com uma pequena margem de lucro.

Angelo odiava admitir, mas mais da metade das vendas eram devidas a beleza de Olga.

Olhos azuis, cabelos loiros e longos, pele branca, seios nem pequenos e nem grandes, sorriso fácil e voz suave.

Ah, Olga!

A freguesia era quase toda de homens. Velhos, novos, aleijados, japoneses, militares. Políticos.

E é aí que o destino de Boris começa a se desenhar.


III

Álvaro era o terror das cercanias onde morava.

Na escola da malandragem, até o professor com ele aprendeu.

Ia para a camara só para um dinheirinho desviar.

Sabia mesmo que era mesmo diferente, e que aquilo ali não era seu lugar.

Ele queria sair e o dinheiro público gastar, e também ser dono de televisão.

Entou em um partido para se candidatar.

E finalmente exercer sua vocação.


IV

"Buongiorno signore Álvaro."

"Bom dia senhor Angelo. Nunca deixa o italiano de lado."

"Jamais. Mas o que devo a honra da visita?"

"Fiquei sabendo que o o senhor tem um filho com vocações para o mundo da política, isto é verdade?"

"Não me agrada saber que esta informação corra por aí. Mas sim, é verdade. É um ótimo orador e argumentador."

"Ora senhor, porque a idéia não agrada? O povo só sabe falar mal do governo, que inclusive, ele próprio elege. Há os maus e há os bons."

"De qualquer forma, sinto que saí de uma terra de mafiosos e cai em outra."

"Siciliano, siciliano. Eu devo rir de seu comentário."

"Devo me arriscar a saber qual o motivo se sua curiosidade? O senhor não costuma jogar conversas no vento, só com as damas claro."

"Sim, com as mulheres é preciso todo um traquejo, uma postura, palavras bonitas. Algo como o senhor deve ter tido para conquistar sua senhora, que com o devido respeito, é a mais bela que já vi em minha vida."

"Menos urubu carnicento, menos. Ora, todos os dias desde que aqui estou tenho que ouvir coisas parecidas. Se eu morrer, ela haverá de sumir daqui para não ser atacada."

"Vaso ruim não quebra fácil senhor Angelo. E ademais, ela foi feita para o senhor e o senhor para ela. Nunca a vi ser mais do que simpática fosse com quem fosse."

"Saber disso é melhor do que qualquer coisa. Aliás, fugimos do assunto. Que quer com Boris?"

"Quero conversar com ele e persuadí-lo a entrar em meu partido."

"Não irei me opor pois tenho o senhor em alta conta, chamarei o garoto, com uma condição."

"Qual?"

"Não o quero ver envolvido em certas, como digo, obscuridades."

"Já menti para o senhor alguma vez?!"

"Para mim, não."


V

E assim Boris envolve-se com Álvaro.

Dois calhordas. Dois patifes.

Um malandro diplomado adEvogado e outro filho-de-papai que mama nas tetas gordas da família e é metido a sabedor.

As aparências enganaram o povo, como sempre.

Eles conseguiram um lugar cativo no clube dos corruptos.

Eu, tu, nós, vós e todos os pronomes pessoais do caso reto financiamos a estes bandidos.

Desviar dinheiro e traficar influências, é brincadeira de criança.

Eles riem de ti ó Têmis.

Eles riem.

Chamam-te de zarolha, no mínimo.

Eles creem piamente terem comprado vossa omissão.

Tu tens valor, ó Têmis?


VI

Ainda celebramos a estupidez do povo
Nossos coxinhas e tevelisão
Vamos celebrar o desgoverno
E este estado de corrupção

Celebrar nossa juventude idiota
as crianças gordas
Celebrar nossa alimentação

Vamos celebrar Mendes e Dantas
nossa politica de classes
Eles querem sempre mais riqueza
e nos deixar na saudade

Eles comemoram pois somos idiotas
e suamos sangue até no feriado
Financiamos suas jogadas
Passagens de aviões até coisas mais banais

Vamos celebrar a justiça
A ganância e a difamação
vamos celebrar os preconceitos
Este país de analfabetos
Comemorar a banda podre
E todos os impostos
Satiagrahas, castelos de areia
E CBF...


VII

Álvaro compra uma redede televisão e deixa na mão dos filhos.

Ele é o novo censor da cidade.

Nada foge aos seus ouvidos e vistas.

Ninguém pode falar o que ele não deseja ouvir.

Boris de eterno aprendiz, começa a colocar as asinhas de fora.

Ele vislumbra compartilhar do poder.

Ah, caro Boris...

Só mais um degrau na escada.

Só mais uma cabeça a ser pisada.

Diria meu caro Bolaños, empinando o jornal: "treze pessoas enganadas."

Álvaro tirou todos os poderes do aprendiz e o tornou uma figura decorativa.

Boris quis matá-lo. Boris quer matá-lo. Boris irá matá-lo?

Não tem coragem de matar nem uma barata, sempre disse sua mãe.

Boris consegue dissuadir o mestre, e consegue um cargo na televisão.

Boris trama usar o veículo contra seu criador.

Álvaro sorri.

Vê no garoto um reflexo seu, só que sem rugas e com cabelo amarelo em toda a cabeça.

No meio da trama Boris apaixona-se. Ele cessa o plano, por enquanto, para viver algo que nunca viveu.


VIII

Bandidos também amam não é?

Mas este autor não hollywoodiano. Bandido é sempre bandido, e como tal, morre no final.

Este autor matará Boris.

Sabe porque eu o matarei?

Porque não existe justiça para rico neste país.

Ela não se aplica aos poderosos.

Justiça com as própria mãos não pode ser feita.

E qual pode então meus caros?

Matarei este símbolo com palavras, porque assim como dizia Olga, não mato nem uma barata.

Ó Têmis, onde estará? Onde...


IX

Sorrindo para a câmera
Sem saber que estamos vendo
Chorando que dá pena
Quando sabem que estão em cena
Sorrindo para as câmeras
Sem saber que são filmados
Um dia o sol ainda vai nascer
Quadrado!

...

Senhores! Senhores! Senhores!
Minha Senhora!
Bandido! Corrupto
Senhores! Senhores!
Filha da Puta! Bandido!
Corrupto! Ladrão! Senhores!
Filha da Puta! Bandido!
Corrupto! Ladrão!...


X

Hey Boris, você está acordado?

_ Quem é?

Sou eu, o autor da sua história.

_ O que você quer?

Saber. Entender. Compreender.

_ Entender o que?

Porque me rouba? Porque nos rouba? Você não tem muito dinheiro?

_ Ah, dinheiro nunca é demais. Trabalhar é para os trouxas. Se você tem a oportunidade de fazer dinheiro fácil, você faz. Todo mundo é assim. Hipócritas como você tem de monte por aí.

Julga a ética das pessoas baseado no seu proceder?

_ Não no meu proceder, mas no que eu vejo ao meu redor.

Ora, ora, se vive rodeado de carniceiros esperava encontrar o que? quem?

_ Seu papo moralista me entoja. Continue com sua história, autor.

Prosseguirei seu crápula. Mate em dois.

_ O que quer dizer?

Te matarei em dois lances. Seu dinheiro e influências não salvar-te-ão.


XI

Boris desperta do pesadelo.

Está suado.

Sentiu medo.

Vendeu a alma ao diabo e agora não quer pagar o preço.

Vários de seus esquemas estão sob investigação intensa da polícia federal.

Teve seus bens interditados e contas bloqueadas.

Era pobre.


Não é que o sistema funcione, é que ele mexeu com quem não deveria.

Álvaro. Seu mestre está furioso.

Está bufando de ódio.

Boris deu um tiro no pé quando entregou para imprensa esquemas do mestre.

Ele estava enrolado até o pescoço.

Boris olha para o lado e não vê sua mulher, só um bilhete.

Bilhete este dizendo que a família da moça seria morta se ela continuasse com ele.

Boris que já tinha a reprovação completa dos pais, fica sózinho.

Ele tem apenas seu mestre. Seu amigo e maior inimigo.


XII

Boris reuniu documentos e pastas e ligou em uma emissora.

Iria expor a verdade.

Ela iria se queimar, mas seu comparsa mais ainda.

Tomou todas as precauções e saiu de seu escritório.

Saiu disfarçado do que ele entende que é um pobre.

Alguém com roupas rasgadas e sujas.

Ele seguiu contando os passos e tentando não olhar para lado algum.

Sentia a morte lhe seguindo.

Soprando em seu cangote.

Podia ouvir os passos dela.

Ela ria.

Por mais que fosse só mais uma alma.

Ela ria.

Ela sabia a dimensão de levar gente ruim.

Ele andava rápido, querendo correr.

Cada cidadão que ele roubou.

Cada criança que não recebeu merenda, que não foi atendida no hospital, que não teve oportunidade no mercado de trabalho.

Cada gota de sangue a mais que jorramos para tapar o buraco.

Rombos financeiros que ele e sua corja abriram.

E pagamos.

Ah Boris, a morte te segue.

Corra Boris, corra.

Morra Boris, morra!

Um quarteirão do prédio da imprensa.

Ele para na calçada antes de atravessar.

Olha para esquerda, olha para a direita.

Não vê seus perseguidores.

Sorri bem de leve.

Agora ele fará justiça.

Hã? Têmis ? Você enlouqueceu?

Ele pensou, disse justiça?

Ele faz-te inválida e agora te usa?

Ora, ora, a mundo virou do avesso.

Boris, comigo não Boris.

O crápula dá um passo adiante.

Vai fazer justiça HAHAHAHA.

O crápula dá um segundo passo.

Um terceiro passo.

Olha levemente para o prédio alto à esquerda.

Vê uma espécie de reflexo, algo que não sabe bem o que é.

Ele contém o próximo passo e olha para o prédio da imprensa.

Está tão perto, tão perto.

É um aviso Boris, quer seguir, vá.

Esta é tua linha vermelha.

É... Boris, você está quase no meio da rua, aí passam carros, como o que vai passar... agora!

Boris ouve a buzina e dá dois passos rápidos a frente e sente o peito queimar na mesma hora!

Um tiro, dois tiros e um terceiro de raspão!

Ele cai e a multidão ao redor assusta-se.

"É tiro, é tiro" ouve-se.

O formigueiro de gente dispersa-se apavorado.

"Atiraram no mendigo" ouve-se.

Um rapaz passa, para bem diante de Boris e com um sorriso pergunta

"Está tudo bem?"

Boris não consegue falar, ver, apenas respira no desespero de manter-se vivo e fazer justiça.

Ah Têmis, tu não fez nada.

Eu fiz.

Boris de tanto tentar consegue ver um homem diante dele.

Álvaro. Seu mestre.

Obrigado por tudo Boris. Você podia ter evitado tudo isso, não tive escolhe.

Boris não consegue falar, mas solta um sorriso malicioso antes de fechar seus olhos para sempre.

Boris morreu.


XIII

Um minuto de silêncio a todos os Boris que estão a solta.

Um minuto de pausa e para lembrarmos que esta ficção não imita a vida.

Eles degustam a vida até o último gole. Goles pagos com nosso sangue e suor.

Boris, descanse em paz.

Você é o motivo destas linhas, sem você não há porque prosseguir.

Há mais de você por aí, a vida ou morte, darão cabo deles. Todos eles.

Capa do jornal de hoje: Glorioso deputado Boris é assassinado!

Boris morreu.



Citado aqui

Legião Urbana: Faroeste Caboclo, Perfeição
Titãs: Vossa Excelência
Chaves e o show de Io-iôs
Lola Rennt

[]s.

Comentários