Festa do Peão e a mídia vendida.


Domingo 03 de junho de 2012.

Desfile dos cavaleiros, Primeiro dia da festa do peão de Americana _ a festa mais esperada por boa parte da população americanense. Festa que costuma levar 50.000 pessoas ou mais para ver shows de artistas da moda e para ver os peões machucarem os bois e cavalos.

[Se dar esporada em animal não é maltratar, é o quê?].

Neste mesmo dia, uma fatalidade, um jovem morreu com uma pancada na cabeça.

Veja a notícia que saiu no R7 no dia 04 de junho às 9h36:

Um jovem morreu após participar de um tumulto na festa de peão realizada em Americana, cidade a 127 km de São Paulo. A polícia está investigando as causas da morte.

Segundo informações iniciais da polícia, o jovem estava no meio de uma briga generalizada com mais de 20 pessoas. O jovem foi levado para o hospital desacordado e morreu horas depois.

A suspeita é que ele tenha sido espancado. Os médicos não encontraram marcas de hematomas no corpo da vítima. A mãe dele, porém, afirmou que ele tinha os dentes quebrados.

O exame do IML (Instituto Médico Legal) deve sair ainda nesta segunda-feira (4). Como existem dúvidas sobre a morte do rapaz, um exame toxicológico será feito para descobrir se o rapaz consumiu drogas ou bebida alcoólica. 

Os organizadores do evento foram procurados pela Rede Record. Até o fechamento desta matéria, porém, não deram retorno.





No mesmo dia, o principal jornal da cidade de Americana, O Liberal (muito famoso por criticar o prefeito tucano Diego DeNadai quase que diariamente _ não que ele não mereça) publicou a notícia com o título: "Confronto de gangues acaba em morte"

Keywords


Experimente fazer uma busca pela notícia no site usando o termo "festa do peão" e pode ter certeza que não vai achar nada, sabe porque?

Existe algo chamado de keywords (palavras-chave). Quando você faz uma busca no site, ele "vai atrás" destas palavras-chave. Na página que fala sobre a morte do rapaz, as palavras-chave são:

rodeio, briga, gangue, recinto, americana, festa, morte, peão


se fizer uma busca no site por estas palavras, verá a notícia.

Analisei a codificação de algumas páginas e vi que, ou o negócio é feito automático, ou quem cadastra não sabe o que está fazendo, pois se você quer saber algo sobre a festa do peão no site, ou no google, vai digitar "Festa do Peão" e não apenas rodeio ou apenas peão o que dificulta achar o que você quer.

Então eu descarto má fé na indexação das palavras, é coisa de estagiário mesmo...

O título mais lógico seria outro...


Para o jornal é ótimo que seu jornal venda e existam visualizações em seu site para que ele possa arrumar mais anunciantes e ganhar mais dinheiro. Um dos modos de ter visualizações é ter notícias atraentes, certo? E como diabos alguém se "descuida" e não coloca o termo "festa do peão" num título de notícia?

Porque não colocar: "Morre jovem na festa do peão de Americana após briga" ou algum título que deixe explícito as palavras morte e festa do peão ?? 

Não chamaria muito mais a atenção dos leitores - ainda mais nesta época?

Começo a sentir um cheiro ruim...

No papel


O jornal publicou a notícia no dia 05 junho como manchete "Confronto entre gangues termina com a morte de ajudante de 22 anos."

Edições de papel _ se for assinante você consegue ler a notícia.

No caderno Cidades, na última página (talvez você já com a vista quase cansada) novamente o título "Confronto de gangues mata 1".

Gangues... gangues... gangues!!!


Perceba que o jornal já tem sua posição sobre o acontecimento: Foram gangues pronto e acabou!

Eu estou surpreso... quando foi que o jornal começou a confiar tanto assim no testemunho da polícia?? Ou no organizador da festa?

É como esperar uma mãe falar mal de seu próprio filho...

Mistério... e daí?!


No site, a notícia começa dizendo que a morte do rapaz foi um mistério... e que eles não quiseram desvendar né, porque passados 4 dias não há nenhuma outra notícia sobre a morte do rapaz. NENHUMA!

Nem no jornal de papel.

[Mas promovendo a festa, aha, tem várias... _ procure lá no site por rodeio, festa, peão, festa do peão].

As versões


A noticia segue... 5 pessoas disseram quase a mesma coisa, que houve a briga e ninguém conseguiu se aproximar do rapaz por causa da polícia. Mesma coisa dita pelo irmão do falecido (veja a versão dada pelo irmão neste video aos 14:50).

O irmão disse que tudo começou com a discussão entre duas garotas enquanto uma foi comprar bebida (dentro do recinto) um rapaz foi defender a namorada, vieram outros para bater no cara, e o rapaz e outros entraram no meio. Depois chegaram seguranças e a Gama para separar _ batendo em todo mundo.

O que mais surpreende é o desprezo do sr. Roberto Lahr _ a versão que o jornal comprou _ que deve ter visto tudo, tamanha é a convicção que demonstra:

O presidente do Clube dos Cavaleiros de Americana, José Roberto Lahr, que organiza a Festa do Peão, disse que a briga foi um fato isolado. "Houve uma briga de gangue e a polícia (Gama) chegou para apartar e esse rapaz saiu correndo, tropeçou e bateu a cabeça", afirmou. "Foi uma fatalidade, uma briga de facção mesmo", completou.

Aqui notícia da Rádio CBN.

Fato isolado. E...?


Não tiro a razão do sr. Lahr ao dizer que o fato foi isolado. Mas não é assim que as coisas funcionam. Um rapaz morreu dentro da festa DELE, o lugar devia ser lacrado para investigação do ocorrido, é uma cena de crime oras!

Não importa se foi briga de gangues ou não! Uma vida foi perdida e pelo jeito o argumento das gangues faz a população alienada da cidade engolir...

Não vou entrar no mérito do rapaz ser pobre, porque isso todo mundo está cansado de saber como funciona no Brasil e em várias partes do mundo : se for preto, pobre ou puta ninguém se importa.

Ah, o jornal!


O jornal comprou a versão do Sr. Lahr de que foi coisa de gangue;
O jornal faz divulgação da festa todo dia;
O jornal não fez uma materiazinha, nem emitiu uma nota a mais sobre o assunto.

Posso estar errado, mas diante das circunstâncias não tenho como pensar que a atitude do jornal é no mínima "estranha". Omissa eu tenho certeza que é.

Ah... os jornais... um jornal que se omite por causa de seus anunciantes é um jornal vendido e não merece credibilidade.

Já é demais termos veículos mentirosos como a Globo, a Folha, o Estadão e o mais descarado de todos, a Veja!

Veículos que não tem compromisso com a verdade, apenas com os interesses financeiros de seus patrões!

Escórias!

Shame on you... shame...

Comentários