Iron Maiden: Somewhere in Time

1986, ano do desastre nuclear em Chernobil na Ucrânia e lançamento do premiado filme Platoon, no Brasil é criado o plano Cruzado.

Na música o Metallica lança Master of Puppets e Slayer lança Reign in Blood!!

E o Maiden lança seu sexto álbum, Somewhere in Time!

 Somewhere in Time

1986 - Somewhere in Time

Caught Somewhere in Time abre o disco já mostrando a Donzela com uma sonoridade diferente dos discos anteriores. Este som descreve alguém, como o diabo, tentando convencer outra pessoa a trocar sua alma por algo que não dá muito para saber (vida eterna?).

Argumenta-se que a música é inspirada no filme de 1979, Time After Time (Um século em 43 minutos), onde o escritor H. G. Wells inventa uma máquina do tempo e entra nela para perseguir seu amigo que viria a se tornar Jack, O Estripador.

Wasted Years pode ser considerado um dos sons mais mainstreams do Maiden ao lado de Wasted Love. Este som fala sobre não olharmos para trás e vivermos o presente como se fossem os dias dourados, resumindo esta ideia no refrão do som:

"So understand
Don't waste your time always searching for those wasted years
Face up...make your stand
And realize you're living in the golden years"

O clip mostra várias fotos da banda na turnê World Slavery Tour e até antes disso, mostra também várias fotos do Eddie em suas várias fases desde o começo da banda. É como se fosse um resumo de tudo que eles viveram até então.



Assim como o som anterior, Sea of Madness (ambos de Adrian Smith), narra outro estado mental. Fala do sofrimento do mundo, da miséria do povo (o tal mar de loucura) e que às vezes o melhor a fazer é virar as costas e ir embora, mesmo com o coração pesado.

Hieronymus Bosch
A espetacular Heaven Can Wait segue, descrevendo a experiência de quase morte: sensação de ver o próprio corpo e ter a alma sugada para outro lugar,onde há luzes e pessoas o observando, mas tudo que ele deseja é continuar aqui na Terra. No fim ele não sabe se renasceu, morreu ou vai acordar de um sonho.

Near Death Experience (experiência de quase-morte) é quando alguém perto da morte ou sofrendo de algum trauma ou doença que possa levar a ela percebe eventos que parecem ser impossíveis, não usuais ou sobrenaturais (HSW).

Características de EQM (as mais comuns, mas nem sempre presentes): sensações de tranqüilidade, luz radiante, pura e intensa, experiências fora do corpo, entrando em outra realidade ou dimensão, visão e/ou comunicação com seres espirituais, o túnel e revisão da vida (tipo aquela sensação de que sua vida inteira passou como um flash diante de seus olhos).

A maioria das pessoas classificam a experiência como sobrenatural (pessoas religiosas principalmente). A ciência não tem uma resposta comprovada ao assunto, mas... não é porque não consegue explicar, neste momento, que torna valida as teorias sobrenaturais (mesmo porque não há como testar algumas variáveis).

O globo reporter falou sobre isso... sobrenatural, fenômeno psicológico... quem sabe?

The Loneliness Of The Long Distance Runner (ufa) é baseado na história de Alan Sillitoe que se tornou um filme em 1962. O filme fala de um jovem que é preso depois de roubar uma padaria. Ele fica em uma prisão para jovens delinquentes e para se distrair ele passa o tempo correndo. Descobrem seu talento como corredor e oferecem a ele um meio de sair da prisão (e promover o nome da instituição) : vencer uma importante corrida cross-country contra alunos da escola pública.

Spoiler: Se você não for ver o filme ou ler o livro, saiba que o garoto quando está perto de vencer a corrida, para no caminho. Ele não aceita vencer uma corrida por aqueles que o prenderam! Ele se ferra depois, mas que tem firmeza, isso tem! (Um trecho do filme).

Stranger in a Strange Land NÃO fala sobre romance de mesmo nome do escritor estadunidense Robert A. Heinlein (1907 - 1988) lançado em 1961 _ onde conta a história de um humano que é criado pelos habitantes do planeta Marte e quando adulto, vem para o planeta Terra.

[Ok espertinho, mas do que fala?]

A letra de Adrian Smith fala sobre uma conversa que ele teve com um explorador, que achou o corpo de um homem congelado há muitos anos no polo norte. [Eu não me surpreenderia que ele tivesse lido o livro de Heinlein e tivesse relacionado as coisas.]

Deja Vu fala sobre... Deja Vu! Aquela estranha sensação de já termos vivido uma mesma situação antes "Feel like i've been here before.."

Deja Vu vem do francês, e significa "já visto". Por pura preguiça recomendo que leia o link da Superinteressante, How Stuff Works ou assistam Michio Kaku falando sobre isso (em inglês).

Finalmente, o grand finale: Alexander The Great (Alexandre Magno, Alexandre O Grande), o rei da Macedônia e de um bom pedaço do mundo...

"My son, ask for thyself another Kingdom, for that which I leave is too small for thee".

King Philip of Macedonia

Império de Alexandre Magno
Seu tutor foi nada menos que Aristóteles. Era filho de Filipe II que conquistou a Grécia _ depois de as cidades Estados gregas (como Atenas, Esparta, Tebas e Micenas) se acabarem em guerras.

Foi o segundo maior consquistador de terras do mundo ("perdeu" "apenas" para Genghis Khan). Alexandre nasceu em 356 AC e morreu de febre na Babilônia em 323 AC, conquistou um território de 5.646.200 km².

A música tem um probleminha histórico. Na letra de Harris consta que o exército de Alexandre não o seguiu até a Índia pois estavam cansados, mas o exército de Alexandre o seguiu sim. Eles tiveram que se retirar pois viram que vencer os indianos não seria possível. Aqui um documentário no History Channel sobre a Invasão (fracassada) de Alexandre à Índia.

Mas isto não diminui a grandeza deste som épico_ nem um pouco!

E ficamos por aqui!

Somewhere in Time - 1986



1. Caught Somewhere In Time
2. Wasted Years
3. Sea Of Madness
4. Heaven Can Wait
5. The Loneliness Of The Long Distance Runner
6. Stranger In A Strange Land
7. Deja Vu
8. Alexander The Great

Formação
Bruce Dickinson - Vocalista
Steve Harris - Baixo e Backing Vocals
Dave Murray - Guitarra
Adrian Smith - Guitarra e Backing Vocals
Nicko McBrain - Bateria

Álbum anterior:
[1984] Powerslave

Próximo Álbum:
[1988] Seventh Son of a Seven Son

Comentários