Saga Musical

Olá \m/ \m/

Este post á mais para registro próprio, para eu lembrar algum dia deste momento. Mas claro, quem quiser curtir aí fique a vontade =D

Estava perdido em um blog antigo, agora o reavivo.

Gostaria de contar um pouco sobre minhas experiências no mundo da música _ como ouvinte claro. Não sei tocar instrumento nenhum_ me arrisquei no teclado com sucesso, mas por preguiça parei lol.

Let's go o/

Nasci em 1987 em São Paulo capital, filho de pai pernambucano e mãe cearense. Fiquei em Sampa até os 5 anos e depois vim para o interior. Fiquei um ano em Santa Bárbara D'Oeste  e no ano seguinte vim para Americana, onde resido até hoje.

Do dia em que nasci até meus 10 anos de idade, não me lembro de nada sobre música. Nada mesmo. Eu gostava de video game, tinha um mega drive 3 com as fitas do Sonic, Mortal Kombat 3 e Altered Beast, que depois de enjoar troquei pelo Sonic 2 _ além do FIFA 94 que eu ganhei depois.

Meus familiares sempre gostaram de todo tipo de música que hoje eu detesto, mas que na época eu também gostava: sertanejo, samba, pagode (lembram do molejo?), axé (lembram do tchan?) e por aí vai. Minha única lembrança do que eu considerava rock na época era Legião Urbana, Guns 'n' Roses e Red Hot Chili Peppers que eu ouvi na escola uma vez.

Para piorar a coisa toda, um dos meus irmãos por parte de pai veio morar em Americana. Além das porcarias de estilos já citadas, ele gostava de rap. Era aquela maldita 105FM o dia todo na eletrônica que trabalhavámos _ era do meu pai.

Se eu acreditasse em deus diria que ele escreve certo por linhas tortas, pois depois que ele voltou para a cidade dele, um belo dia, a rádio parou de funcionar. Não que a rádio parou de funcionar, mas que o rádio era uma porcaria e nem aquelas palhas de aço (bombril) davam jeito. Daí fui passando de rádio em rádio na esperança que qualquer uma funcionasse. Finalmente achei uma rádio que estava funcionando!

O mais engraçado é que a primeira coisa que ouvi foi: "Pô Cileide, vai se fuder meu"
Pensei: "WTF ?! Que isso !!!"

Aha, era ele, o Doutor Pimpolho que passava na Educadora (91,7FM). Escute Aqui é muito massa =D

Depois dos comerciais começou a rolar um som e aí percebi que não era algo que eu estava habituado a ouvir. Era o tal do rock. Aquelas guitarras e baterias e um cara cantando em inglês _ o fato de cantar em inglês nunca me incomodou porque desde os 11 anos eu gostava da língua inglesa e nesta época eu tinha 14 anos (era o ano de 2001).

Aos poucos fui me acostumando com aquele som, e gostando das músicas. A música que mais me lembro daquela época era essa do Puddle of Mudd, Blurry.



Bom, em pouco tempo já estava gostando do tal do rock  _ não conhecia as etiquetagens, tudo para mim era rock 'n' roll. Ouvia bandas como The Strokes, Oasis, Red Hot, Guns, U2, Linkin Park e no âmbito nacional gostava de Legião Urbana, Titãs, Capital Inicial, Engenheiros do Hawaií e IRA!

O Heavy Metal ainda era desconhecido para mim ainda em 2002 e até a metade de 2003. Tudo o que eu escutava era Fear of the Dark do Iron Maiden, No More Tears do Ozzy Osbourne (video) e Enter Sandman do Metallica, pelo menos eu me lembro destas com mais precisão. Na época eu só ouvia nas rádios mesmo, pois não tinha internet e nem dinheiro para comprar CDs originais.



Depois de um tempo um amigo meu comprou um computador e ele tinha internet discada! Ninguém mais que eu conhecia tinha um. Internet, o que era isso ? Coisa de rico no mínimo. Até aquela idade o único PC que eu mexia era no cursinho de informática que eu ia mais para jogar do que para aprender algo (algo = word e excel). Este amigo passou a baixar músicas pelo Kazaa e fazia CDs com as músicas que pedissemos. Claro, era internet discada [fax modem de 56k com taxa de transferência máxima de 8kB, mas se o download estivesse em 3kB já estava mais do que ótimo... sério]. Uns dias depois o CD estava pronto e eu passava a ouvi-los até riscar !

Ainda na onde do rock, bandas como Creed, Nickelback, The Calling, Three Days Grace, Silverchair, Blink 182, The Offspring, The Verve, Green Day e Ramones começaram a entrar também no repertório. A partir dos Ramones que comecei a saber um pouco dessa coisa de separação de estilos dentro do próprio rock, logo Ramones não eram mais rock, eram punk, e Red Hot era chamado de Hard Core.

Algo que nunca vou me esquecer foi da moda que pegou a maioria dos adolescentes naquela época. Foi algo que eu nunca entendi o porquê aconteceu. O cara do vocal se matou (será mesmo que se matou ?) na véspera do meu aniversário em 1995, a banda havia acabado, o baterista já tinha uma banda há anos e o baixista tinha virado político. O que era tudo aquilo ??

Era Seattle... Eram Dave Grohl, Krist Novoselic e Kurt Cobain. O grunge da banda Nirvana.



Era uma coisa louca, em todo lugar que tinha jovens, você os via quase que de uniforme: all-star, calça jeans, camiseta do Nirvana e em alguns casos camisas flanela.

Aquelas letras tristes, revoltadas e aparentemente sem sentido do Kurt. Era um dilema interpretar aquilo: ou ele era muito bom em sintetizar seus pensamentos naquelas músicas, ou o efeito da droga o fazia escrever de qualquer jeito colocando um som naquela letra sem sentido. Quem poderia responder já não pode mais...

Não posso esquecer que com o Nirvana, as bandas Pearl Jam, SoundGarden e Alice in Chains ganharam um espaço grande no meu toca fitas.

Não sei se é uma tendência, um caminho natural de quem começa a gostar de rock, mas a coisa começa a ficar mais pesada. Eu quis música mais pesada. Não que o que eu ouvia fosse pesado, mas se levar em consideração todas as porcarias que eu ouvia antes, aquilo era uma evolução e tanto!

Do meio para o fim de 2003 Evanescence, Metallica, Foo Fighters, P.O.D, Korn, Slipknot, System of a Down e Iron Maiden foram outras bandas que caíram no meu agrado.

Ao mesmo tempo, os clássicões do rock e do metal começavam a ganhar espaço aqui e ali: Pink Floyd, Van Halen, Deep Purple, Dio, Led Zeppelin, Tears for Fears, Dire Straits (video), AC/DC, The Cure, The Cult, The Doors e The Who.



Não me lembro direito agora, se foi ainda em 2003 ou só em 2004, mas algo que ouvi deu todas as direções do que eu mais gostei de ouvir, e ainda gosto.

Um dia perguntei a outro amigo se ele tinha algum CD de música legal na casa dele para me emprestar. Ele me emprestou dois CDs da mesma banda: um deles tinha um fundo avermelhado com um anjo na frente e o outro um mapa antigo do Brasil com uma rosa dos ventos.

Algo que eu nunca tinha ouvido. Um vocal com uma voz muito limpa, guitarras e uns corais no fundo e os caras são brasileiros. Angels Cry e Holy Land do Angra.

Fiquei impressionado com a música Carolina IV (video), aquela voz feminina cantando "I've been such a fool, i've been so afraid..." (e não falo da voz do André Matos, é da outra ahshusauu).



A partir disso o heavy metal e o metal melódico ganharam todo o espaço possível. Aquilo era demais para alguém que mal havia entrado nesse mundo da música. Alguém que tinha as camisetas do SOAD (toxicity), do Evanescence (Fallen) e do Metallica (St Anger) e hoje tem do Iron Maiden, Blind Guardian, Edguy, Symphony X, Dream Theater, Therion, Gamma Ray, Helloween, Rush, Megadeth, Primal Fear, Dimmu Borgir ...

Meu ex-professor de inglês também gostava de metal (gosta, ele ainda está vivo) e me passou um monte de CDs de mp3 com as bandas que ele gostava, e eu também passei a gostar delas: Helloween, Rhapsody, Gamma Ray, Edguy, Sonata Arctica, Stratovarius e Avantasia. Fora Angra, Shaman, Iron Maiden (video), Metallica e Ozzy que eu já gostava.



Em 2005 somaram-se ao repertório Dream Theater, Therion e Nightwish. Até o fim de 2007 não mudou muita coisa, até porque eu ficava pouco em casa e mal parava para ouvir música, e quando ouvia era tudo o que eu já tinha ou baixava um CD novo de uma das bandas que eu já conhecia. Na realidade, o que mais aumentou foram os rocks clássicos que eu pegava com meu vizinho da época e outro estilo que tinha se somado era o gothic metal com o After Forever, Lacrimosa, Tristania e Epica (que não pode ser chamado de gothic metal).

Final de 2007 eu descobri que o metal melódico estava me saturando, eu já sabia a letra de quase todas as músicas que conhecia de tanto ouvi-las. A única banda que eu aguentava ouvir era o Kamelot pois tinha acabado de descobrir quando traduzi um texto para o whiplash, uma entrevista com o vocalista Roy Khan.

Posso agradecer a internet novamente pela força, uma das amigas que conheci me apresentou bandas diferentes de estilos diferentes: Doom, Black, Folk e Gothic. Já tinha ouvido Arch Enemy, mas sinceramente não estava pronto para ouvir aqueles guturais _ eu nem sabia que eram da Angela Gossow Oo

Esta amiga também me mostrou o lastFM onde criei Meu Perfil.

Posso dizer que de 2008 a situação melhorou muito em termos de bandas que conheço, estilos que eu gosto e até em shows decentes eu fui (tudo bem que isso é mais questão financeira mesmo) como o do Iron Maiden (2009) e do Dream Theater (2010).

O black, death, doom, fizeram minha alegria depois deste tempo (dizer que doom faz a alegria parece um paradoxo hehe). Segue aí Dimmu Borgir o/



Gute Nacht
[]s.

Comentários