Automedicação


Domingo de manhã, você acorda com aquela dor de cabeça incômoda, e antes de sequer tentar pensar o que pode ser ou tentar deixar passar, você abre a gaveta de remédios e toma um comprimido.

É o tal "toma doril que a dor sumiu". 

Esse rito é seguido por boa parte da população brasileira e de vários países. Muitas pessoas tem em suas casas a tal 'caixinha de remédio', 'gaveta de remédio', ou seja, um compartimento para um monte de remédio para vários problemas: dor de cabeça, garganta, dor de estômago, ânsia, vomito, ressaca, cólica, pedra no rim, ansiedade, prisão de ventre, azia e etcetera e etcetera...

Remédio e Droga


Antes de continuar eu preciso avisar algo: o que nós chamamos de remédios, são também drogas. Você compra drogas, legais, na drogaria, ilegais nas bocas _ ou na esquina da sua casa ou no rolê.

E o que são as drogas? Num sentido amplo, drogas são substâncias (naturais ou sintéticas) que alteram as funções do organismo.

O doril altera o funcionamento do organismo com a intenção de fazer com que sua dor de cabeça desapareça. A cocaína, a cerveja, a vodka alteram o funcionamento do seu organismo com outras finalidades.

O uso popular se encarregou de chamar aquilo que faz bem ao organismo de remédio, e aquilo que faz mal _ ou ainda aquilo que faz bem utilizado de forma errada _ de droga.

Como o remédio age em nosso corpo


O remédio é ingerido, passa pela faringe, esôfago e cai no estômago. Chegando lá é triturado, desce para o intestino delgado e depois vai para o sangue. O remédio tem seu princípio ativo, ou seja, ele só é ativado quando encontra moléculas que tem receptores compatíveis com ele.

Efeitos colaterais


O efeito colateral é um efeito não desejado causado pela droga. Pense que você toma um remédio para cortar vômito, como o Dramin, e depois fica com sono, pois bem, este é o efeito colateral. Existem dois tipos de efeitos colaterais: os evidentes (que é sabido vão acontecer) e os detectados no laboratório (os adversos).

E a dor sumiu?


O doril também tem seus efeitos colaterais:

Doril - Os efeitos colaterais mais comuns do ácido acetilsalicílico são: dor abdominal, azia, náuseas, vômitos, hemorragia gastrointestinal, úlceras gastrointestinais, elevação das transaminases hepáticas. Podem também ocorrer tonturas e zumbidos, especialmente em crianças e em indivíduos idosos. Como toda medicação, o ácido acetilsalicílico pode ainda dar origem a outros efeitos colaterais, às vezes imprevistos. 

Não só no Brasil, mas em outros lugares do mundo, a utilização do remédio como um produto comum de consumo, é alarmante. As empresas farmacêuticas sabem disso há tempos e se aproveitam lançando suas propagandas apelativas, com alguns comerciais engraçadinhos, como as ovéééélinhas do Naldecon, para colocar na sua cabeça que tomar um remééééédinho para gripe é tranquilo, que os remédios são inofensivos, que é só ir lá, comprar e tomar, de boa.

Naldecon Noite - Eventos adversos: Procurar orientação médica caso ocorra, durante o tratamento: nervosismo, tremores, palpitações, dor de cabeça, sintomas gastrointestinais como náusea, vômito e dor abdominal, hipotermia. Dependendo da sensibilidade individual do paciente, leve sonolência poderá ocorrer após a 1ª dose.

Eu sei que não é toda vez que você tomar um remédio, algo assim pode acontecer, só quero chamar a atenção quanto ao uso indiscrimado, tomar remédio como se fosse chupar balinha de mel.

O pior disso tudo é quando esta indústria consegue te capturar para ela, ou seja, toda vez que você sente algo de ruim já vai atrás de um remédio, ou, quando esta indústria consegue te convencer que você tem um problema que na realidade não tem. Nestes casos a indústria trabalha nas duas pontas: ela cria uma doença e vende a cura _ isso soa familiar...


Soa tão familiar que é verdade. Empresas tem feito lobby junto aos políticos e setores da mídia para que seus produtos sejam difundidos numa boa. Veja estas duas matérias:

Estadão - Agenda da Anvisa mostra lobby de parlamentares em favor de indústrias
Carta Capital - Os Excessos do Lobby

A questão não é só o reméééédinho para dor aqui e dor acolá, o reméééédio em si começa a se tornar algo tão comum de ser consumido, que de repente você não quer mais malhar para emagrecer, quer tomar remédio; de repente você não quer utilizar técnicas naturais de relaxamento e concentração, quer tomar remédio; não quer mais uma préliminar, quer tomar remédio...

Números


Palavras do pesquisador da Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz) Álvaro Nascimento, do Departamento de Ciências Sociais:


É verdade que os medicamentos são a principal causa de intoxicação humana por agente tóxico no país?

Álvaro Nascimento: Sim, é verdade. Há mais de dez anos os medicamentos são o principal agente de intoxicação humana oficialmente registrado no Brasil, de acordo com o Sistema Nacional de Informações Toxicológicas (Sinitox) da Fiocruz. Mesmo retirando as tentativas de suicídio deste número, os medicamentos seguem na liderança das intoxicações humanas. Os números nacionais disponíveis mais recentes são de 2007. Segundo o Sinitox, foram 34.028 casos de intoxicação humana por medicamentos. Se retirarmos os 15.119 casos de tentativas de suicídio, teremos 18.909 casos de intoxicação por medicamentos, considerando exclusivamente as pessoas que buscaram no medicamento uma forma de prevenir e tratar doenças ou recuperar a saúde. Se dividirmos pelos 365 dias do ano, são quase 52 casos por dia, ou seja, um caso oficialmente registrado a cada 30 minutos.


clique aqui para ler a entrevista toda.

#fikdica. Antes de sair tomando remédio como se fosse balinha, pense um pouco se aquilo pode te deixar pior do que já está!


Links:

Bulas.med
Efeitos Colaterais - HSW
10 efeitos colaterais bizarros - Superinterissante
Como o remédio age em nosso corpo - Diário de Biologia
SciElo - Perfil da automedicação no Brasil
SINITOX (Sistema Nacional de Informações Toxico Farmacológicas)
Ministério da Saúde

Comentários