Espiral do Silêncio


Eu vi a imagem acima num facebook de uma amiga de facebook, e estes dias eu voltei a ler Purificar e Destruir de Jacques Sémelin. Na página 142, ele fala sobre a espiral do silêncio, que é basicamente o que a imagem acima representa.

A imagem fala por si só, mas na ânsia de ser o mais claro possível, descreverei os quadradinhos: Primeiro chega um Rapaz Azul todo feliz e prosa, que se encontra com pessoas beges (cinzas? marrons? sei lá?!); depois o Rapaz Azul tem uma idéia e conta para a massa bege. Nos quatro quadros seguintes, os caras da massa bege ficam vermelhos de raiva, e passam a condenar as idéias do Rapaz Azul, e eles se unem e insistem que aquilo é uma bobagem, até deixá-lo chateado a ponto de se calar. A massa bege isola o Rapaz Azul, que vai ficando cinza, e a distância dele para os demais diminui, até que ele se torna bege como a cor da massa. Ele se conforma, e se torna parte da massa bege.


A Espiral do Silêncio


Ela é ligada ao medo, e como descreve a socióloga alemã Elisabeth Noelle-Neumann, não é medo de ser destruído, mas de se ver isolado de seu próprio grupo de filiação. Para que a pessoa não seja isolada ou banida de seu grupo, ela renuncia expressar sua própria opinião.

Em momentos de instabilidade, quando a pessoa precisa tomar um partido, e sua posição está de acordo com a opinião da maioria, se tem mais firmeza na hora de se exprimir, sem medo do isolamento. Agora, se o indivíduo vai contra a maioria, e percebe que suas convicções estão ruindo aos poucos, ele passa a não ter tanta segurança no que diz, e se sente menos inclinado a dizer o que pensa. A tendência dele é se manifestar em certos casos, e em outros não, assim, criando uma espécie de espiral, que aos poucos estabelece uma opinião dominante _ uma vez que ele passa a se conformar.

Noelle definiu opinião pública como a "opinião que se pode exprimir em público, sem risco de sanção, e sobre a qual pode se apoiar a ação empreendida publicamente". Mas ela não diz que, a pessoa passa a acreditar na opinião da maioria, ela apenas adere por conformismo ou medo de sanção.

Exemplos

Vamos supor que na tirinha lá em cima, o Rapaz Azul esteja chegando na massa bege para dizer que uma das melhores formas de se viver em sociedade, seria limitando a quantidade de dinheiro que uma pessoa pode acumular, assim acabando com os milionários, fazendo-os retornarem este dinheiro para que o Estado possa dividi-lo para as pessoas mais pobres. Agora imagine que a massa bege acha esta ideia absurda, e para que ela não se difunda, começa a massacrar as ideias do Rapaz Azul, para que ele se cale e se conforme com a situação como ela está.

Podemos dizer que neste caso, a opinião pública é contra a limitação do acumulo de riquezas por um indivíduo. Mas na realidade, sabemos que se consultássemos a grande maioria do povo, esta ideia iria adiante _ não porque o povo é bonzinho, e sim porque é pobre em sua grande maioria.

Mas se a maioria seria a favor, como a opinião pública é contra?

Simples: quem são os donos dos meios de comunicação? Ora, os ricos. Se este rico conseguir fazer valer a sua ideia no meio social, através da propaganda, através das novelas que mostram pessoas vivendo felizes em casas luxuosas, através de programas matinais que mostram cozinhas e alimentos chiques, ele consegue fazer com que a maioria do povo engula a sua ideia de que riqueza é essencial para o bem estar... e assim, este ideal burguês se torna opinião pública, quem for contra, é contra o dinheiro, e mais que isso, é contra o bem estar social!

Lembrando: opinião pública é a opinião que se pode exprimir em público, sem risco de sanção.

A homofobia era algo normal não era? Você xingar, desrespeitar, achincalhar um homossexual era a coisa mais normal do mundo, não era? Porque a opinião pública via o homossexual como um ser doente, menor, pecador, abominável dentro da sociedade, isto era aceito _ e em muitos meios ainda é.

Defender a homossexualidade? Quem era louco de fazê-lo?

E agora? Em pleno 2012, os homossexuais ganharam vários direitos, inclusive de casamento, e cada dia mais tem o respeito da sociedade _ claro, há ainda muito o que ser conquistado. Mas, a opinião pública de certos locais mais avançados culturalmente, não permite mais pessoas com ideias homofóbicas _ lembrem do caso Bolsonaro por exemplo.

Agora um homofóbico tem que pensar duas vezes antes de falar... é a espiral do silêncio se invertendo. Com medo do que os outros vão pensar sobre o que ele diz, o cara não vai mais sair por aí achincalhando ninguém, a opinião pública "mudou de lado", ou, mudou a opinião, da opinião pública.

Isso quer dizer que o cara mudou de ideia e deixou de ser homofóbico? Não. Ele simplesmente se acomoda a maioria para não ser isolado por ela. Certamente se ele encontra alguém que pensa assim como ele, se manifesta como acha que deve, sem temer.

A mocinha Isadora Faber da página Diário de Classe, vive algo bem engraçado quanto a esta questão. Enquanto ela tem sido massacrada por funcionários e pais de aluno da escola em que estuda, por denunciar os acontecimentos ali presenciados por ela _ com o claro objetivo de fazer com que ela se cale _ ela já possui mais de MEIO MILHÃO de seguidores no facebook por conta da notoriedade de seu trabalho, e  cada dia ela é mais admirada pelos brasileiros, incentivando mais estudantes a fazerem o mesmo que ela.

Teoricamente temos uma opinião pública dividida, e me parece que em sistemas equilibrados como este, a pessoa pode ainda se expressar, sem muitos problemas, havendo apenas algumas indisposições contra o que faz.

No caso da Isadora, eu creio que ela vai prosperar muito, pois a luta dela é por uma escola de qualidade, algo raro neste país, e a opinião pública é a favor deste mesmo princípio. Ou sei lá, ao menos que os donos do poder comecem ver nela um perigo, e comecem a tentar inverter as coisas... e aí, a massa vai trocar de lado?

Como escapar da espiral do silêncio?

 

Acho que esta capacidade está para aqueles que mais conseguem suportar o isolamento e, para aqueles que conseguem dialogar com as pessoas a sua volta.

No quadro vemos o quanto Rapaz Azul é amedrontado pela massa bege, e, de longe este não é o melhor de se discutir as coisas. Eles deviam cordialmente, como pessoas racionais, mesmo que com alguma agitação, sentar e discutir suas ideias, levantando argumentos prós e contras. Sabemos que em alguns casos não haverá acordo, mas isso não deveria fazer com que o indivíduo que pensa diferente tenha que se calar para sempre, caindo no espiral.

Talvez tolerância com as diferenças e racionalidade são chaves para escaparmos deste espiral.

Auf Wiedersehen

Comentários

  1. Ricardo.

    Obrigado mais uma vez pela confiança em deixar postar no meu blog a história do Maiden.

    Acabei de publicar o primeiro post, do disco Iron Maiden (http://aumentaqueissoarocknroll.blogspot.com.br/) No link dá pra você ver como ficou.

    Mais uma vez muito obrigado pela parceira, sempre que quiser pode contar comigo.

    Grande abraço

    ResponderExcluir

Postar um comentário