Dumbphones


Procurei na web se existia o termo dumbphone (que eu tinha pensado e achado genial) e ele já existe e serve para definir celulares com poucas funções, em oposição ao smartphone que possui muitas funções. Entretanto, vou alterar a significação do termo pois pretendo dizer que os usuários de smartphones estão se tornando dumbs -> estúpidos, idiotas, tapados. Vejamos alguns exemplos da vida real:

Na hora do almoço as pessoas colocam o celular dentro da bandeja e começam a fuçar, enquanto a comida esfria;

Estive no show do Amon Amarth estes dias para trás, e tinha alguns caras no WHAT'S APP no meio do show! Um deles usava fone de ouvido!;

Fora os caras que vão para gravar o show em seus smarts com telas gigantes e não para assistir;

Em momentos de descanso, pessoas que se conhecem sentam umas próximas às outras, cada uma com seu celular, e elas não conversam entre si;

Certa vez viajava com uma galera em três carros, quem estava na frente era quem estava com o GPS no celular. Quando chegamos na zona rural da cidade, o batedor parou e questionei o porquê dele ter parado. A resposta? GPS parou de funcionar. "E agora vocês param?", "Sim, não conheço o caminho". Sorte que estudei o mapa e conseguimos chegar.

Uma turma de amigos foi a um barzinho comemorar o aniversário de uma amiga, chegando lá criaram um grupo no what's app chamado de "Aniversário da Amanda". Estes seres, sentados à mesma mesa, ficaram trocando mensagens entre si no barzinho e praticamente não conversavam;

No mesmo bar, os pedidos são feitos por um tablet que fica na mesa, você nem conversa mais com o garçom;

Uma pesquisa da Motorola e B2X com 518 pessoas, perguntou se a pessoa ficaria sem seu smartphone ou seus amigos por uma semana. 15% disse que preferiria ficar sem seus amigos. 40% responderam que seria muito difícil ficarem sem seu smart, mesmo que lhe fossem pagos $100. Todos os entrevistados disseram que seus smarts ficam ao seu alcance dia e noite. Fonte: Recode.net

Vou deixar três perguntas para você que está lendo:


http://goo.gl/RqYcl5

Em que mundo vamos parar?

Eu sei que às vezes parece discurso de velho que costuma criticar as gerações mais novas (só tenho 27 anos, nem sou tão velho assim), mas não consigo imaginar em que isso nos ajuda. Eu sei que existem momentos que simplesmente não queremos interagir com as pessoas ao nosso redor, porque talvez, como diria Nietzsche, odiamos pessoas que roubam nossa solidão sem nos dar algo em troca. Só que a coisa vem piorando cada vez mais.

A internet dá este poder de escolhermos com quem falamos, basta a pessoa estar online. Não dá para negar que isto é um ganho. Mas e quando estamos diante das pessoas que queremos estar e não há o que conversar pois se está muito ocupado digitando palavras na tela? Estamos desprezando os sorrisos nos rostos das pessoas e o som de suas vozes, trocando sua presença física por letras e toquinhos de um aparelho de telefone.

Temos que ter cuidado para que a força que a tecnologia nos dá, não nos roube o que temos de melhor e nos transforme em tapados com a fuça voltada para uma teletela.

Se você tem algum relato desses absurdos, deixe aí nos comentários.

Auf Wiedersehen.

Comentários