Cachinhos Dourados


Era uma vez, uma linda menina dos cachos dourados e dos olhos esverdeados, que entediada de trocar mensagens instantâneas por meio de seu dispositivo móvel, conectado à grande rede mundial de computadores, saiu para dar um rolê na floresta _ quer dizer, do que sobrou da floresta, pois, os madeireiros obliteraram quase toda ela.

@caxinhosDorados (é seu perfil no Twitter) caminhou mata a dentro, e ia despreocupada, porque o desmatamento havia acabado com quase toda a fauna, portanto haviam poucos pássaros, insetos e lagartos pequenos, nada assustador.

Caminhou por horas a fio sem se cansar, e isso também se explica: como tinha jogado muito o jogo do Pokemon, caçando vários bichos e chocando muitos "eggs", estava acostumada as pernadas.

Finalmente, a menina dos cachos cor de palha, encontrou a casinha que você (é, você mesmo que está lendo!) certamente estava esperando que ela encontrasse.

A casa era feita de madeira, não era muito grande e nem muito pequena. @caxinhosDorados parou diante da porta, ficou curiosa ao ver que a porta tinha uma fechadura, e ao invés de ter um local para colocar uma chave, tinha um leitor de digitais. Dado que ela pertence a uma geração "touch screen", sua reação instintiva foi colocar o dedo sob o leitor, e, ao fazê-lo, a lâmpada acima de sua cabeça que estava apagada, magicamente ficou verde, um sinal sonoro, "beep", foi ouvido e em seguida a porta abriu-se diante de seus olhos embasbacados.

A menina adentrou a casa, olhou ao seu entorno com olhos curiosos e farejando como um cachorro faminto, logo identificou de onde vinha o cheiro e avistou sob uma mesa, três copos de leite*, um grande, um médio e um pequeno.

Tomou um gole do primeiro copo, o grande, de uma vez, e cuspiu na mesma velocidade que bebeu pois estava muito quente. No desespero, pegou o segundo copo, o médio, sentiu a temperatura e, vendo que não estava quente, bebeu também de uma vez, porém a sorte da menina não era das melhores, ficou zonza antes de conseguir cuspir o conteúdo do copo, pois, agora, o leite estava azedo. Levou alguns minutos para se recuperar da tontura, e de forma bem desconfiada pegou o terceiro copo, o pequeno, sentiu a temperatura, cheirou, bebericou e dessa vez gostou e tudo tomou.

Um pouco enjoada e tonta, nossa querida Cachinhos decidiu sentar-se, mas novamente se viu diante de um trilema, pois haviam três cadeiras, uma grande, uma média e outra pequena. Cachinhos pensou "Narrador, por favor, não me faça sentar nas três cadeiras, na grande que é ruim de subir, na média que é muito dura e na pequena que é frágil, uma por uma, não sou retardada, está óbvio que nenhuma delas é boa para mim".

"Mas Cachinhos, a história não é assim, você tem que sentar nas três, e quebrar a última cadeira."

A menina pega a cadeira pequena nas mãos e a arremessa contra a parede, quebrando-a em vários pedaços. Em seguida, com sua mente responde "Pronto, podemos prosseguir?"

Voltando nossa programação normal, @caxinhosDorados sobe as escadas e chega num quarto grande, com três camas, uma grande, uma média e uma pequena, inconveniente que é, pensa "Não podiam ter tudo de um tamanho só?! Quanta estupidez!!!" praguejou em sua mente _ no que foi ignorada pelo narrador. A menina viu a cama grande e pensou em saltar sobre ela, mas como estava desconfiada do que já lhe acontecera, decidiu sentir a textura do colchão. Ao fazê-lo furou seu dedo que começou a sangrar "mas que diabos!!!", pensou. Tirou o lençol, e para sua surpresa era uma cama de espinhos. Foi para a segunda cama, a média, e viu que perto do travesseiro havia um chicote e algemas, não entendia aquilo mas achou estranho e decidiu ir para a terceira cama, a pequena. Alisou o colchão, tirou o lençol e tudo estava aparentemente dentro dos conformes, deitou-se e chocilou.

Depois de muito cochilar, a menina ainda estava transitando entre o dormir e o acordar, teve a impressão de estar sendo observada. Ela abre seus olhos lentamente, vê bem embaçadamente três formas meio redondas, sente suas mãos tremendo e num relance ergue seu tronco na cama, arregala os olhos e solta um grito apavorado...

Diante de @caxinhosDorados, três criaturas humanóides estranhas, uma grande, uma média e outra pequena, que a olhavam passivamente. E quando a menina parou de gritar, eles se entreolharam silenciosamente, a pegaram pelo braço, arrastaram-na pela casa, abriram a porta e a jogaram em seu disco voador e partiram me seguida.

@caxinhosDorados não foi mais vista desde este dia.

Fim.

[*] os nomes das bebidas e seus efeitos são fictícios, pois a censura, a ética, a moral e os bons costumes da família tradicional brasileira me impedem de associar contos de fadas a bebidas alcoólicas.

Comentários