A pele branca é uma anomalia...


Carl Sagan - Bilhões e Bilhões

(Bilhões e Bilhões no Google Livros ou em pdf)

(...) A vegetação absorve a luz vermelha e azul, reflete a luz verde e por isso nos parece verde.

Poderíamos traçar um quadro da quantidade de luz refletida em cores diferentes. Algo que absorve a luz azul e reflete a vermelha nos parece vermelho; algo que absorve a luz vermelha e reflete a azul nos parece azul.

Vemos um objeto como branco, quando ele reflete a luz de forma mais ou menos igual nas cores diferentes. Mas isso também vale para os materiais cinza e pretos. A diferença entre o preto e o branco não é uma questão de cor, mas de quanta luz eles refletem.

Os termos são relativos, e não absolutos. Talvez o material natural mais brilhante seja a neve recém-caída. Mas ela reflete apenas cerca de 75% da luz do Sol que a atinge. O material mais escuro com que comumente temos contato - vamos dizer, o veludo preto - reflete apenas uma pequena porcentagem da luz que o atinge. "Tão diferentes quanto preto e branco" é um erro conceitual: preto e branco são fundamentalmente a mesma coisa; a diferença está apenas nas quantidades relativas de luz refletida. E não na sua cor. Entre os humanos, a maioria dos "brancos" não são tão brancos como a neve recém-caída (nem mesmo como uma geladeira branca):

a (*) Ainda me preocupo com a possibilidade de essa afirmação abrigar algum tipo de chauvinismo da luz visível: seres como nós que só vêem à luz visível deduzem que todos no universo devem ver à luz visível. Sabendo o quanto nossa história é pródiga em chauvinismos não posso deixar de suspeitar da minha conclusão. Mas pelo que posso observar ela é tirada da lei física e não da vaidade humana.

Maioria dos "negros" não são tão negros como o veludo preto. Os termos são relativos, vagos, desorientadores. A fração de luz incidente que a pele humana reflete (a reflexividade) varia muito de indivíduo para indivíduo. A pigmentação da pele é produzida principalmente por uma molécula orgânica chamada melanina, que o corpo produz da tirosina, um aminoácido comum nas proteínas.

Os albinos sofrem de uma doença hereditária que impede a produção de melanina. Sua pele e seus cabelos são brancos como leite. As íris de seus olhos são cor-de-rosa. Os animais albinos são raros na natureza, porque suas peles fomecem pouca proteção contra a radiação solar e porque eles ficam sem camuflagem protetora. Os albinos tendem a morrer cedo.

Nos Estados Unidos, quase todo o mundo é moreno. Nossa pele reflete um pouco mais de luz em direção à ponta vermelha do espectro da luz visível do que em direção à azul. Não tem mais sentido descrever indivíduos com elevado teor de melanina como "negros" do que descrever indivíduos com baixo teor de melanina como "brancos". Só nas freqüências visíveis e nas imediatamente adjacentes é que se tomam manifestas diferenças significativas na reflexividade da pele. Os povos vindos do norte da Europa e os povos provenientes da África central são igualmente negros na ultravioleta e na infravermelha, quando quase todas as moléculas orgânicas, e não apenas a melanina, absorvem a luz.

Só na luz visível, quando muitas moléculas são transparentes, é que a anomalia da pele branca se toma até possível. Na maior parte do espectro, todos os humanos são negros.

-> pág 31.

Comentários