Grécia - O que a mídia não está dizendo

Traduzi este texto pois achei interessante entender mais sobre a crise na Grécia. Deixei alguns comentários irritantes em colchetes [].

Para entender mais sobre a crise na Grécia e o texto abaixo, recomendo que é necessário entender como se deu a Crise de 2008, e também um pouco sobre Títulos Lastreados em Hipotecas.

Traduzido de Nation of Change
Autor: Chris Kanthan
Publicado em 05/07/2015
Link: http://www.nationofchange.org/2015/07/05/greece-what-you-are-not-being-told-by-the-media/



De acordo com os meios de comunicação mais influentes, a atual crise econômica grega é devido ao governo ter gasto muito dinheiro em seu povo e quebrado. A afirmação porém, é mentirosa. Foram os bancos que quebraram o país para que oligarcas e corporações internacionais pudessem se beneficiar.

A grande mídia tem como narrativa para a crise econômica grega o seguinte: o governo gastou muito dinheiro e quebrou; os bancos generosos lhes deram dinheiro, mas a Grécia ainda não pode pagar as dívidas porque administrou mal o que lhes foi dado. Soa bem razoável, certo?

Exceto que é uma grande mentira... [no texto original ele chama de "same big, fat lie", enfatizando o tamanho da mentira] não apenas sobre a Grécia, mas sobre outros países europeus como a Espanha, Portugal, Itália e Irlanda que estão passando por vários níveis de austeridade. A mesma grande mentira foi usada pelos bancos e corporações por décadas para explorar muito países da América Latina, Ásia e África.

A Grécia não caiu por si mesma. Foi feita para cair.

Em resumo, os bancos quebraram o governo grego e deliberadamente o empurraram para um débito insustentável para que os oligarcas e corporações internacionais pudessem lucrar com caos e a miséria.

Se você é fã de filmes sobre a máfia, sabe como a máfia assumiria o controle de um restaurante popular. Primeiro, eles quebrariam o negócio _ encenariam um assassinato ou iniciariam um incêndio. Quando o negócio começa a sofrer, o Padrinho [The Godfather] generosamente oferece algum dinheiro como símbolo de amizade. Em troca, Greasy Thumb [outro mafioso famoso, Jake "Greasy Thumb" Guzik] assume a contabilidade do restaurante, Big Joey [outro mafioso] é colocado no comando das compras, e assim por diante. Desnecessário dizer que é uma jornada em um espiral de miséria onde o dono logo estará quebrado, e se tiver sorte, vivo.

Agora, vamos comparar a história da máfia com a das finanças internacionais em quatro estágios.

Estágio 1


O primeiro e principal problema da tragédia grega foi a Grande Crise Financeira de 2008 que foi uma invenção de Wall Street e dos banqueiros internacionais. Caso se lembre, os bancos surgiram com uma fantástica ideia de dar hipotecas subprime para qualquer um que respirasse. Então eles empacotaram estas hipotecas e as venderam como Títulos Lastreados em Hipotecas [Mortgage-backed securities, que eu vou chamar de TLH] com enorme lucro para outras entidades financeiras pelo mundo.

O grande facilitador desta atividade criminosa foi outro ramo do sistema bancário, o grupo de agências de avaliação de risco _ Standard & Poor's, Moody's e Fitch _ que deram boas notas para estes produtos destinados ao fracasso. Políticos inescrupulosos como Tony Blair foram pagos pelos bancos para vender os TLH para fundos de pensão, cidades e países da Europa. Os gurus dos bancos e de Wall Street ganharam bilhões com este esquema.

Mas este é apenas o primeiro estágio da fraude. Havia muito mais lucro para ganhar!

[A imagem abaixo ilustra a Crise de 2008, e este video dublado por nossos patrícios ou este video legendado em brasilianês também explicam]


Estágio 2


É quando a bomba relógio financeira explodiu. Bancos comerciais e de investimento pelo mundo entraram em colapso em questão de semanas. Os governos em nível local e regional viram seus investimentos e ativos evaporarem. O caos estava instalado!

Abutres como Goldman Sachs e outros bancos lucraram muito de três maneiras:

  1. Eles puderam comprar outros bancos como Lehman Brothers e Washingtion Mutual por uma mixaria;
  2. Goldman Sachs e confidentes [ele usa a palavra insiders, que é alguém de dentro do sistema que tem informações privilegiadas] como John Paulson (que recentemente doou $400 milhões para Harvard [Forbes]) fez apostas que as TLH poderiam explodir. Paulson ganhou bilhões, e a mídia celebrou sua esperteza. (Por analogia, imagine os terroristas apostando no 11 de Setembro [Destruição das Torres Gêmeas] e lucrando com isso;
  3. Para piorar mais as coisas, os grandes bancos exigiram um resgate dos mesmos cidadãos cuja a vida os bancos arruinaram! Como são audaciosos.

Nos Estados Unidos, eles conseguiram bilhões de dólares dos contribuintes e trilhões do Federal Reserve Bank [o FED, é o Banco Central dos EUA] que é nada mais do que um grupo de banqueiros.

Na Grécia, os bancos domésticos ganharam mais de 30 bilhões de resgate do povo grego. O suposto irresponsável governo grego teve de resgatar os banqueiros capitalistas.

Estágio 3


É quando os bancos forçam o governo a aceitar grandes dívidas. Em uma metáfora com a biologia, considere um vírus ou bactéria, todos eles tem estratégias para enfraquecer o sistema imunológico do hospedeiro. Uma das técnicas usadas por banqueiros internacionais parasitas é rebaixar os títulos de um país. E foi exatamente o que os banqueiros fizeram, começando no fim de 2009. Imediatamente as taxas de juros (rendimentos) dos títulos começaram a subir, ficando mais caro para o país tomar dinheiro emprestado ou mesmo rolar os títulos existentes.

De 2009 até a metade de 2010, os rendimentos dos títulos de 10 anos da Grécia quase triplicaram! Este roubo financeiro deixou o governo grego de joelhos, e os banqueiros [ele usa aqui a palavra banksters] ganharam seu primeiro acordo da dívida de colossais 110 bilhões de Euros.

Os bancos também controlam a política das nações. Em 2011, quando o Primeiro Ministro grego [George Papandreou] recusou fazer um segundo resgate, os bancos o forçaram a sair e imediatamente colocaram em seu lugar o vice presidente do Banco Central Europeu [Lucas Papademos]! Sem eleições. Dane-se a democracia. E o que este novo cara fez? Assinou nas linhas pontilhadas de cada documento trazido pelos banqueiros.

(Aliás, no dia seguinte, a mesma coisa aconteceu na Itália onde o Primeiro Ministro [Massimo D'Alema] demitiu-se, apenas para ser substituído por um fantoche banqueiro/economista [Mario Monti]. Dez dias depois, a Espanha teve eleições prematuras onde outro fantoche banqueiro venceu a eleição [Mariano Rajoy]).

O mestre das marionetes teve seu melhor mês em novembro de 2011.

Alguns meses depois, em 2012, a mesma manipulação no mercado de títulos foi usada quando os banqueiros [banksters] aumentaram os rendimentos dos títulos gregos para 50%!! Este terrorismo financeiro imediatamente teve o efeito desejado. O parlamento grego concordou com um segundo resgate, ainda maior que o primeiro.

Agora, aqui está outro fato que a maioria das pessoas não entendem. Os empréstimos não são simples empréstimos que você conseguiria do cartão de crédito ou do banco. Estes empréstimos vem com muitas condições especiais atreladas que exigem privatização de ativos do país. Se você assistiu The Godfather III [O Poderoso Chefão 3], se lembraria de Hyman Roth, o investidor que estava distribuindo pedaços de Cuba entre seus amigos. Troque Hyman Roth pelo Goldman Sachs ou FMI ou BCE, e você entenderá.

[Veja a imagem que eu encontrei no site do Independent, é de 2011, ela mostra os tentáculos do Goldman Sachs por toda a Europa. Mostra o que o autor disse no parágrafo anterior.

http://www.independent.co.uk/news/business/analysis-and-features/what-price-the-new-democracy-goldman-sachs-conquers-europe-6264091.html ]




Estágio 4


Agora, o estupro e humilhação do país começa sob o nome de austeridade ou "reformas estruturais". Com o débito que foi forçada a aceitar, a Grécia teve de vender muitos de lucrativos ativos para oligarcas e corporações internacionais. As privatizações são impiedosas, envolvendo tudo que é lucrativo. Na Grécia a privatização incluiu água, eletricidade, postos de trabalho, serviços de aeroporto, bancos nacionais, telecomunicações, autoridades portuárias (o que é muita coisa em um país que é líder de embarques) e etc. Claro, os banqueiros manipuladores sempre exigem privatização de toda a mídia, o que significa que a TV fica com apresentadores fotogênicos que vomitam propaganda do sistema toda dia, dizendo para as pessoas que os banqueiros desonestos e gananciosos são salvadores; e escravidão sob a austeridade é muito melhor que outra alternativa.

Somando-se a isto, os banqueiros tiranos ainda conseguiram determinar cada linha do orçamento do governo. Quer cortar gastos militares? NÃO! Quer aumentar as taxas para os oligarcas e grandes empresas? NÃO! Tal micro-gestão não existe em nenhuma outra relação credor-devedor.

Então o que acontece depois da privatização e despotismo sob os bancos? Claro, as receitas do governo caem e a dívida aumenta. Como se conserta isso? Claro, corte de gastos! Demite-se funcionários públicos, corta-se o salário mínimo, pensões [previdência], serviços públicos e aumentam impostos em coisas que afetam os 99% da população, mas não que afetam o 1% [os ricos]. Por exemplo, a pensão foi cortada ao meio e impostos sobre as vendas aumentaram 20%. Todas estas medidas resultaram na calamidade grega que é pior do que a Grande Depressão dos EUA de 1930.

Depois de tudo isso, qual a solução proposta pelos bancos? Aumentar os impostos! Mais corte de pensões! É necessário um tipo especial de psicopata para colocar um país em austeridade, num holocausto econômico.

Se cada cidadão grego soubesse a verdade sobre a austeridade, eles não cairiam nessa. O mesma vale para a Espanha, Itália, Portugal, Irlanda e outros países passando pela austeridade. O lado triste é que esta não é a única estratégia. Desde a Segunda Guerra Mundial, estas práticas predatórias foram usadas incontáveis vezes pelo FMI e pelo Banco Mundial na América Latina, Ásia e África.

Esta é a essência da Nova Ordem Mundial _ um mundo possuído por corporações e bancos; um mundo cheio de obedientes, impotentes servos das dívidas.

Então, é hora do orgulho do povo grego crescer como Zeus e dizerem NÃO ("OXI" em grego) para os gananciosos manipuladores, oligarcas não-patriotas, banqueiros parasitas e políticos corruptos.

Querida Grécia, saiba que o mundo está rezando e torcendo por você. Neste fim de semana, vote NÃO para a austeridade. Diga SIM para a liberdade, independência, soberania e democracia. Vá para as urnas neste fim de semana e dê uma retumbante vitória para o 99% da Grécia, Europa e para todo o mundo ocidental.

Links:

G1 - Gregos votam contra exigências de credores por empréstimo

BBC - 8 perguntas básicas para entender a crise na Grécia e suas consequências

Resistir.info - A crise económica na Islândia: o remédio do FMI não é a solução

El País - Islândia atribui sua recuperação à recusa em aplicar a austeridade

Der Spiegel - Greek Debt Crisis: How Goldman Sachs Helped Greece to Mask its True Debt

Talk Markets - Thrilling Thursday – The Greek Tragedy Continues

MintPress - In Greece Privatization Schemes, Who Benefits?

EPSU - The wrong target – how governments are making public sector workers pay for the crisis

GR Reporter - The average salary in the Greek public sector is 1,900 Euros

Five Reasons Why The Greeks Were Right

Comentários

  1. Parabéns pelo trabalho em traduzir e compartilhar o texto. Obrigado.

    Algum pensamento sobre o caminho agora que disseram não?

    ResponderExcluir
  2. Obrigado pelas palavras Claudio =D

    Não faço ideia, vou acompanhar e ler mais sobre o caso. Se tiver algo muito interessante volto a postar aqui.

    ResponderExcluir

Postar um comentário