Platão e a Educação

Mito da Caverna

Logo de cara, no livro VII de A República, Platão / Sócrates nos contempla com o Mito da Caverna. Embarque comigo nesse rolê.

Imagine algumas pessoas [5, 10, 20, quantas quiser] que vivem desde sua infância dentro de uma caverna. Estas pessoas estão sentadas de costas para a entrada da caverna com pernas, braços e pescoços amarrados, de forma que não conseguem se virar ou sequer olhar para o lado [triste né?!], elas ficam lá, apenas viradas de frente para o fundo da caverna.

Pela entrada da caverna chega uma luz que vem de um farol que fica na encosta da ilha [ok, ok, na época de Platão não havia luz elétrica, mas estou atualizando a estória um pouco].

Entre a caverna e o farol tem uma estrada onde comerciantes e compradores costumam passar carregando mercadorias [por alguma razão] sob suas cabeças. Ao longo dessa estrada tem um muro cuja a altura encobre as pessoas, mas deixa os objetos à mostra, de forma que quando as pessoas passam com as mercadorias (sob a cabeça) a luz do farol bate nos objetos e projeta sua sombra no fundo da caverna.

Ou seja, quem está dentro da caverna, vê a sombra de todos os objetos que passam sob o muro projetados no fundo da caverna.

Imagine que estas pessoas não conhecem nada de fora da caverna, do mundo real. Elas estão ali, presas na escuridão da caverna, e o pouco acesso que tem do mundo real, são as sombras dos objetos no fundo da parede. O maior problema é que elas não sabem disso, não tem consciência de sua condição.

Para quem está na caverna, as sombras é que são o mundo real. E não há nada de incomum em se pensar assim, pois este é o único mundo que conhecem. A sombra de um vaso de flor, para quem está na caverna, é que é a realidade, e não o vaso de flor real, que está fora da caverna.

Imagine agora que um prisioneiro é libertado de suas correntes, e é convidado a sair da caverna. Quando este prisioneiro está próximo da saída, tem que lidar com a dificuldade de ver a luz do sol, depois de passar a vida na escuridão da caverna. Todos sabemos a dificuldade de olhar para luz depois de ficarmos um longo tempo num quarto escuro por horas, agora imagine ter que lidar com a luz depois de uma vida toda na escuridão?!

Este prisioneiro recém liberto, assustado e não suportando a luz, poderá voltar seus olhos para as sombras, que são familiares para ele. Ele também terá dificuldade de acreditar que os objetos fora da caverna são os objetos de verdade. Levará um tempo para que se acostume com estes novos conhecimentos sobre a vida, e entenda que os objetos fora da caverna são os objetos de verdade, e as sombras no fundo da caverna, são apenas sombras.

Depois dessa nova e magnífica descoberta, o ex prisioneiro decide voltar à caverna para dar as boas novas para aos que lá ficaram. Porém, do mesmo jeito que ao sair da caverna ele teve dificuldade de ver as coisas na luz, ele também terá dificuldade de enxergar ao retornar para a escuridão da caverna. Os que estão na caverna, ao verem que este tem essa dificuldade de enxergar, poderão rir dele, e dizer que a luz do lado de fora estragou sua vista, e sendo assim dirão que não vale a pena sair.

Educação e Liberdade

Os que estão na caverna, apreciando apenas sombras, estão num estado de ignorância, pois acreditam serem verdadeiras coisas _ neste caso, as sombras _ que não são verdadeiras. E aqueles que estão fora da caverna, na luz, é que conhecem a verdade.

A EDUCAÇÃO torna-se assim, a arte de converter almas, ou seja, tirá-las do estado de ignorância (da escuridão da caverna) e guiá-las da forma mais fácil e mais eficaz, para o caminho da verdade, para o caminho do bem.

[Lindo, não é?!]

Bom, e depois de ter atingido o caminho do bem, acha que a pessoa deveria se isolar dos incultos, dos ignorantes, dos prisioneiros que ainda estão na caverna?

Não sei qual sua resposta, mas nosso amigo Sócrates entende que esse isolamento dos que atingiram a iluminação é inaceitável! Estas pessoas devem retornar para as camadas inferiores e compartilhar aquilo que sabem com o restante da sociedade, porque a lei não foi feita para tornar felizes apenas uns e outros, mas sim, para tornar TODAS as pessoas da cidade felizes. Portanto, todas as classes de pessoas não devem usar de sua liberdade para dar as costas uns aos outros, e sim, usar dos conhecimentos que possuem para fortalecer os laços entre as pessoas!

Seguindo estes conceitos, podemos dizer com tranquilidade que a educação, quando guiada para o bem, tem um papel libertador, tanto no nível individual, que é quando alguém se liberta da escuridão da caverna, mas também num nível social, que é quando aquele que se liberta, tem a consciência de retornar à caverna e tentar libertar todos aqueles que lá estão.

Comentários