Iron Maiden: Seventh Son of a Seventh Son

Eu achei importante colaborar com a galera que curte Maiden e decidi dividir estes posts com blogs mais acessados que o meu (o meu é pouco acessado... tadinho de mim huahuhau).

Com isto, até o momento colaborei com o blog do Igor Soares, o Flight of 666 _ ele deixa os posts bem melhores que os meus o/

Agora voltamos para 1988 _ eu finalmente já havia nascido [e daí né?!] _ neste grandioso álbum: Seventh Son of a Seventh Son!

Seventh Son of a Seventh Son

1988 -  Seventh Son of a Seventh Son

Último álbum da era clássica do Iron Maiden, depois disso ainda temos álbuns bons como o Brave New World ou Fear of the Dark, porém não se comparam aos da década de 80.

O Sétimo Filho do Sétimo Filho é o sétimo álbum da banda, praticamente uma narrativa.

Antes de falar de som por som, o portal Iron Maiden Commentary _que tem me ajudado muito, diga-se de passagem _ sugere um resumo da história:

Moonchild: O demônio manda um aviso para os pais da criança: não adianta escapar!
Infinte Dreams: O pai do sétimo filho (que também é o sétimo de sua geração), tem visiões que ele não compreende;
Can I Play with madness: O pai do sétimo filho busca uma explicação para suas visões, mas não gosta muito do que ouve...
The Evil that Men Do: A criança nasce, o pai morre;
Seventh Son of a Seventh Son: Nascimento da criança com poderes sobrenaturais, o bem e o mal disputam a criança;
The Prophecy: O garoto se dá conta de seus poderes destruidores e tenta avisar a todos da profecia, mas ninguém dá ouvidos a ele;
The Clairvoyant: O garoto torna-se vidente e passa a ter controle de seus poderes, e está ciente que este poder poderá destruí-lo;
Only the Good Die Young: este som é uma reflexão de tudo que aconteceu.

Bom, agora que sabemos o resumão, vamos nos aprofundar um pouco mais na história por trás da história deste álbum o/

Moonchild é inspirada no ritual Liber Samekh de Aleister Crowley (1875–1947). Este ritual é feito para a besta, para que se possa ter conhecimento, e poder conversar com seu guardião.

Lucifer (Lucem ferre), o portador da luz, é uma referência ao planeta Vênus (estrela D'Alva) e também ao anjo caído. Como muitos sabem, a mitologia cristã faz muitas referências a outras mitologias, inclusive neste caso, onde na mitologia grega o titã Prometheus dá o fogo para os humanos, assim como Lucifer leva o conhecimento para Adão e Eva. Ambos são punidos por seus respectivos deuses.

Moonchild também é um livro escrito por Crowley, e falava da luta das forças do bem contra o mal. Gabriel, é o anjo que jogou Lúcifer no inferno.

Na música diz: "Moonchild - hear the mandrake scream".

Mandrake é também o nome da planta Mandrágora [quem joga RPG, card game ou no video game mesmo, certamente já ouviu falar].

Wikificando -> "O uso da raiz da planta é muito antigo, encontrando-se citado nos textos bíblicos em Gênesis 30:14 e Cantares 7:13. Segundo lendas medievais, as raízes da mandrágora deveriam ser colhidas em noite de lua cheia, puxadas para fora da terra por uma corda presa a um cão preto; se outro animal ou pessoa fizesse esta tarefa, a raiz "gritaria" tão alto que o mataria (...) Outra lenda refere que a mandrágora tinha como semente o sêmen de um homem enforcado."

A raíz da mandrágora tem forma de um garfo de três pontas (ou tridente como queira), e era considerada uma planta com superpoderes. Acredita-se que ela nascia embaixo das forcas, após o solo ser banhado com sêmen do homem enforcado [não me pergunte como foi cair sêmem de uma cabeça rolando, e se souber como, deixe nos comentários].

Para tirar a mandrágora, o sujeito precisava colocar cera nos ouvidos, para que o grito da planta [sim, a planta gritava ao ser arrancada do solo] não ensurdecesse ou matasse. A planta era usada para invencibilidade, encontrar tesouros ou auxiliar na gravidez _ e talvez, deve ter auxiliado a mãe do sétimo filho do sétimo filho.

[Procure por Thelema e Aleister Crowley para saber mais sobre este mundo].

Infinte Dreams fala sobre o pai do sétimo filho que está atormentado por sonhos e pesadelos paranormais. Ele também deve ter alguns poderes, mas não entende suas visões. A música explora o que pode haver depois da morte

"There's got to be just more to it, than this
Or tell me why do we exist
I'd like to think that when I die
I'd get a chance another time
And to return and live again
Reincarnate, play the game
Again and again and again..."

Can I Play with Madness é um dos sons mais conhecidos da banda _ e um dos que a Kiss FM mais toca da Donzela.

A música pode ser considerada feliz ou meio doida, já que é assim que o pai do sétimo filho se sente ao tentar entender o porquê de suas visões.

Um pequeno aparte.

Este álbum fala sobre Lúcifer e de sua morada, o inferno. O inferno é um tema bastante explorado por várias religiões, pela literatura e cinema. Na Divina Comédia de Dante Alighieri, por exemplo, ele mostra o inferno como nove círculos de sofrimentos localizados na Terra. Quanto mais grave o pecado do pecador, mais o sujeito desce.

http://efme.blogspot.com.br/2010/05/inferno-divina-comedia-dante-alighieri.html

The Evil That Men Do, o nome deste som foi retirado destre trecho da obra Julio César, de Shakespeare:

"Friends, Romans, country men, lend me your ears; I come to bury Cæsar, not to praise him. The evil that men do lives after them, the good is oft interred with their bones; so let it be with Cæsar." Julius Cæsar. ACT III Scene 2.

Este trecho é falado por Marco Antônio após a morte de César pelos senadores traidores [desculpem o pleonasmo]. Christian Gurtner interpreta o discurso de Marco Antônio em seu podcast, no site o Escriba Café. Uma obra prima da internet!

Bruce, antes de cantar este som, normalmente diz: "the good that the man do, is often interred with their bones, but the evil that men do, lives on" (confira no video).





Seventh Son of a Seventh Son é baseado na ficção de Orson Scott Card, Seventh Son (1987). Alvin, o sétimo filho do sétimo filho não sabia de seus poderes, mas agora os descobre, tendo ele que escolher entre o bem e o mal _ que fazem o possível para persuadí-lo.

The Prophecy Alvin pede para que todos acreditem na profecia que iria destruir a vila. Lembrando que a lenda deve ser da época medieval, então, destruir uma vila era muita coisa. A profecia se mostra como algo inevitável, ou seja, estava escrita, e nada poderia mudá-la.

The Clairvoyant (o som que mais gosto deste álbum) Alvin já sabe controlar suas visões, e não sabe o que fazer de sua vida, pois estes poderes irão destruí-lo de qualquer forma.

Only the Good Die Young encerra este grande álbum! É uma reflexão _ aparentemente de Alvin e de Lúcifer, em estrofes alternadas _ sobre a vida e a morte. Também dá uma cutucada de leve nos cristãos, que preferem crer em seu livro velho (Walking on water - are miracles all you can trust?) do que nos acontecimentos que chamam a atenção no momento. A profecia se cumpre, quem não acreditou neste novo profeta, morreu...

Este som novamente leva ao pensamento sobre como o destino é inescápavel. O sétimo filho sente-se como um mero peão (de xadrez mesmo) na luta entre o bem e o mal, que não tem um vencedor.


O som acaba falando do número 7 por várias vezes, e não à toa, existe todo um misticismo acerca deste número _ só não há como confirmar quando há uma tentativa de forjar o número 7, como fica claro em as 7 maravilhas do mundo ou, provavelmente ou coincidentemente nas passagens bíblicas onde o 7 é muito usado, ou quando de fato existem 7 tais coisas como: as 7 cores do arco-íris, os 7 mares, as 7 notas musicais, os 7 dias da semana...

E até o próximo álbum o/




Seventh Son of a Seventh Son - 1988



1. Moonchild
2. Infinite Dreams
3. Can I Play With Madness
4. The Evil That Men Do
5. Seventh Son Of A Seventh Son
6. The Prophecy
7. The Clairvoyant
8. Only The Good Die Young

Formação
Bruce Dickinson - Vocalista
Steve Harris - Baixo e Backing Vocals
Dave Murray - Guitarra
Adrian Smith - Guitarra e Backing Vocals
Nicko McBrain - Bateria

Álbum anterior:
[1986] Somewhere in Time

Próximo álbum:
[1990] No Prayer for the Dying

Comentários

  1. Muito legal as histórias sobre o Iron. Eu sigo você no blog, tenho um blog tb. Você me autoriza a publicar as histórias do Iron no meu blog?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. opa, autorizo sim cara - só por favor cite o link aqui do meu blog o/

      Excluir
  2. Claro. Acompanha o meu blog lá pra você ver. É bem legal também!

    ResponderExcluir
  3. Ricardo, te add no Google Plus, gostaria de te fazer um convite de parceria, em breve entro em contato.
    Continue com o excelente trabalho.

    Up the Irons!

    ResponderExcluir
  4. Muito bom mesmo, Parabéns!!!!....

    Uma Observação:
    A palavra mal, muito usada para esse excelente blog, é na verdade escrita com "U", logo seria "Mau".
    Ex.: "...tendo ele que escolher entre o bem e o mau..." ou "...O sétimo filho sente-se como um mero peão (de xadrez mesmo) na luta entre o bem e o mam..."


    Muito obrigado!!.....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. cara, não achei o erro que você mencionou, acho que você leu isso em algumas das edições que viu na internet. Eu me cobro muito sobre erros ortográficos e normalmente os faço antes de publicar _ ou minutos depois de publicar (pq sempre escapa algum haha). Mas valew mesmo assim!

      Excluir
  5. Iniciei um blog me inspirando nisso ... será uma especie de diário de um rapaz ... Benjamin Jansen
    http://siebtensohnes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário